Páginas

Receba mais dicas valiosas para você e seu negócio

O que é ensinado na secreta e exclusiva universidade Apple


Gênios não nascem, são feitos. Essa é a premissa por trás da escola de formação interna da Apple, a impenetrável Apple University, uma escola de negócios que reúne tantos executivos de elite quanto Harvard ou Yale. Seu reitor, Joel Podolny, tem trabalhado também para essas tradicionais universidades americanas.

Não há nenhuma menção à Apple University no site da Apple. Sua missão é ensinar os gestores sobre a cultura corporativa da empresa fundada por Steve Jobs. Os cursos são apenas por convite e destinados a gestores da empresa com cargo de diretor ou acima. A maioria dos participantes é formada por vice-presidentes ou vice-presidentes sêniores. Um gerente relativamente júnior pode até ser convidado, mas só participará de uma ou outra aula de uma classe. À medida que sobe na hierarquia, é possível ser convidado para duas ou três sessões.

Mas como os executivos são escolhidos para os cursos? Ninguém sabe ao certo, mas um participante que prefere não se identificar contou ao site Business Insider que os vice-presidentes sêniores da Apple escolhem os funcionários promissores e enviam um e-mail ao reitor com a sugestão. Os convites para os cursos vêm diretamente de Podolny.

As aulas duram geralmente algumas horas por dia, durante dois ou três dias, e são sempre presenciais. Elas acontecem no campus da Apple, na Califórnia, mas não na principal área do quartel general da empresa. As classes têm em média 15 ou 20 pessoas.
Veja um pouco do que se aprende na Apple University:

A história da Apple. A empresa parece entender que estudar sua história pode ajudar os funcionários a ter sucesso mesmo sem ser um gênio como era Steve Jobs. "A razão de Steve para a criação da universidade era a de manter a cultura após a sua morte", disse um participante. Algumas perguntas ajudam a entender melhor a empresa: "Como estamos organizados?", "Como evoluímos para ser o que somos hoje?" Há um grupo dedicado cujo trabalho é estudar a Apple em detalhes.

A importância da especialização. A Apple University ensina aos funcionários que eles estão na empresa para serem os melhores em uma tarefa específica. Um participante descreve a diretriz usando uma analogia com a tradicional cultura da relojoaria suíça: "Havia um cara cujo trabalho era fazer uma roda dentada, e ele fazia isso perfeitamente."

Lições de fora da empresa. A Apple também estuda outras empresas para saber como elas tiveram sucesso ou fracasso. Um participante contou que uma aula inteira foi dedicada à ascensão e queda da A&P, uma cadeia americana de supermercados que tinha 5 bilhões de dólares em vendas e 4.252 lojas em 1958. Em 2012, a rede escapou da falência e encolheu para 320 lojas.

A Apple University é uma escola de negócios com o modo Apple de ser: de alta qualidade e com atenção impecável aos detalhes.





Habitação puxou desaceleração do IPC-S na 1ª quadrissemana


Prédios em SP: habitação foi o grupo que mais contribuiu para a desaceleração do índice
Bianca Ribeiro, do Estadão Conteúdo

São Paulo - O grupo Habitação, que retrocedeu de 2,01% na última leitura de janeiro para 1,69% na primeira quadrissemana de fevereiro, foi o que mais contribuiu para a desaceleração do Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) divulgado nesta segunda-feira, 9, pela Fundação Getulio Vargas  (FGV). O indicador geral recuou 0,10 ponto porcentual, de 1,73% para 1,63% entre os dois períodos.

Dentre as cinco classes de despesas que registraram decréscimo em suas taxas de variação, a FGV destacou as influências dos itens Hortaliças e Legumes (13,21% para 10,36%) em Alimentação, cursos formais ( de 9,19% para 7,13% em Educação, pacotes de telefonia fixa (1,20% para 0,75%) em Comunicação e cartão de comunicação (0,78% para 0,33%) em Despesas Diversas.

Os itens com as maiores influências isoladas de alta foram tarifa de ônibus urbano (apesar da redução de ritmo de 9,18% para 9,07%), tarifa de eletricidade residencial (de 9,41% para 7,12%), curso de ensino superior (de 8,30% para 6,54%), refeição em bares e restaurantes (0,98% para 1,13%) e automóvel novo (1,80% para 2,10%).

Já os cinco itens com as maiores influências de baixa foram passagem aérea ( mesmo com redução ritmo de baixa de -11,12% para -9,26%), perfume (de -1,47% para -1,54%) tarifa de táxi (de -5,04% para -3,15%), leite tipo longa vida (-1,58% para -2,01%) e blusa feminina (de -2,15% para -2,03%).




10 novidades do mercado que você precisa saber


1- Aposentado perdeu US$ 1,5 mi com Petrobras. A petição entregue ontem ao juiz da Corte de Nova York pelo escritório americano Wolf Popper em conjunto com o Almeida Advogados destaca como exemplo um aposentado brasileiro que perdeu US$ 1,5 milhão recentemente com aplicações em papéis da Petrobrás, de acordo com o documento obtido pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

2- Sem interlocutor na Petrobras, Braskem pode parar produção. As denúncias de corrupção na Petrobras e a troca no comando da companhia deixaram a Braskem falando sozinha em um momento em que a maior petroquímica brasileira precisa renovar com a estatal um acordo de R$ 9 bilhões anuais, que envolve uma matéria-prima responsável por 70% dos custos da petroquímica no Brasil.

3- Petrobras exige que fornecedoras respeitem código de ética. A Petrobras determinou em revisão do seu manual para contratação que tanto a companhia como fornecedoras ou prestadoras de serviços devem respeitar seu código de ética, bem como seu guia de conduta e sua política de responsabilidade social, conforme despacho publicado nesta segunda-feira no Diário Oficial da União.

4- Graça Foster se despede de funcionários "superguerreiros". A ex-presidente da Petrobras Graça Foster deixou uma mensagem de despedida aos funcionários, a quem chamou de "superguerreiros", pedindo que continuem trabalhando firme pela companhia.

5- Lucro da Galp salta com margem de refino de petróleo. A portuguesa Galp Energia registrou uma alta maior que a esperada no lucro líquido do quarto trimestre, de quase 50%, impulsionada por um salto acentuado nas margens de refino graças aos preços mais baixos do petróleo.

6- Morre o ex-presidente da Goldman Sachs John Whitehead. John Whitehead, ex-presidente da Goldman Sachs e um dos grandes artífices da expansão do banco de investimentos nos anos 70 e 80, morreu aos 92 anos.

7- BM&FBovespa deve lucrar R$ 254 milhões no 4º trimestre. O maior volume de negociação nos últimos três meses de 2014 deve impulsionar o resultado da BM&FBovespa.

8- Brasileiros depositaram US$ 7 bilhões em contas na Suíça. O banco HSBC abriu mais de 8,7 mil contas secretas para brasileiros na Suíça, onde foram depositados US$ 7 bilhões. Os dados fazem parte de documentos bancários que revelam como a instituição teve um papel ativo em facilitar a abertura de contas, sem perguntar a origem do dinheiro e que, em muitos casos, ajudou a evadir impostos. No mundo, o banco auxiliou mais de 100 mil clientes a levar para a Suíça suas fortunas, nem sempre declaradas em seus países.

9- Lucro líquido da Hypermarcas tem alta de 30,2% no 4º tri. A Hypermarcas registrou lucro líquido de R$ 71,5 milhões no quarto trimestre do ano passado, aumento de 30,2% ante o mesmo período de 2013.


10- Grécia anuncia programa de ajuda humanitária e recontratação. O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou um programa de ajuda imediata para fazer frente à crise humanitária e a recontratação dos empregados públicos que foram demitidos injustamente.