Páginas

Receba mais dicas valiosas para você e seu negócio

Divisórias funcionais

Com espaços cada vez mais reduzidos, substituir paredes de alvenaria por madeira pode ser uma excelente opção
 
Evelin Sayar


"Foram derrubadas todas as paredes de alvenaria da suíte para fazer o closet, executado em madeira e com as costas para o home. Isso economizou 30 cm de paredes, o que em um apartamento pequeno faz toda a diferença"

O apartamento de 100 m2 recém-entregue pela construtora foi totalmente transformado para atender às necessidades de um piloto solteiro que, entre suas idas e vindas, queria um lar aconchegante, prático e que oferecesse conforto na medida certa.
A arquiteta Evelin Sayar trocou todos os acabamentos e promoveu uma grande revolução na disposição dos ambientes, a começar pelo terceiro dormitório, que teve todas as paredes derrubadas, e pela suíte, que também perdeu uma delas. No lugar da alvenaria, madeira. "A ideia foi utilizar a madeira para dividir os ambientes e ainda servir como espaço para armazenar, embutir fiação e outros apetrechos técnicos, com os dois lados completamente utilizáveis", explica Evelin Sayar.
A parede que divide a suíte do home theater tem de um lado um completo closet de quase 10 m2; sua outra face é o home theater em si, automatizado e moderno. O closet é auto-portante, ou seja, é o miolo da composição de armários que ficou no lugar das paredes, e por ele passa toda a fiação de som do living para o quarto, além de suas paredes suportarem o peso de duas tevês, que atendem aos dois ambientes, com seus sistemas de automação embutidos.
Toda essa estrutura foi feita de MDF Duratex da linha Duna. Spots embutidos ajudam na iluminação perfeita do local. A parede do home theater é totalmente de madeira, e por dentro dela corre toda a tubulação de som, automação e ar-condicionado. Além de ser removível, para uma eventual manutenção, ela é estrutural. Fios e cabos podem ser muito facilmente acessados mediante uma pequena abertura. Segundo Evelin, "um dos cuidados que se deve ter ao remover paredes é a preocupação com os sistemas de eletricidade e outros tipos de fiação, que terão de encontrar outros caminhos, como teto e chão, no caso desse imóvel, e no madeiramento"
Essas modificações na distribuição das paredes e na substituição pelas estruturas de madeira utilizadas como closet e home theater puderam liberar até 30 centímetros de área a mais, o que, num espaço reduzido significa maior amplitude e espaço para circulação.
O mesmo ocorreu no Home Office, integrado ao living ou isolado deste quando necessário apenas por grandes portas de correr feitas de MDF. Três folhas independentes correm por um trilho embutido no piso de madeira - solução ideal para suportar a sobrecarga - e uma guia foi usada na parte superior das portas. Assim, a área social também ganhou mais amplitude e se beneficiou das soluções que a madeira proporcionou.

 

O living é integrado ou separado do home theater e também do home office por meio de três portas de madeira que correm por trilhos e guias por questões de segurança. Dessa forma, quando abertos os espaços, a área social se torna ampla, mas também se beneficia de privacidade quando necessário.

A parede de madeira do home theater, que também é estrutural, tem no seu miolo um excelente closet, responsável por armazenar de forma ordenada todo o equipamento de viagem do piloto e também por sustentar a tevê que serve à suíte.


Confira quem fez
Arquitetura e Interiores: Evelin Sayar
Serviços Elétricos: Zé Carlos, Eletricista
Ar condicionado: Ártico Marcenaria: Marcenaria Ross
Iluminação: Lustres Iriê Bela Vista


Fonte:   Casa & Construção


PROJETO SUSTENTÁVEL



O acabamento veio do quintal


A natureza é perfeita! Na fachada, a pintura foi feita com terra vermelha retirada do próprio terreno, o que rendeu uma economia de R$ 5 mil.

  
No início, a casa de campo era apenas para passar os fins de semana com a família e os amigos, mas, em novembro de 2010, os proprietários, pais da arquiteta Danielle Duarte, decidiram trocar o conforto da cidade pela tranquilidade da fazenda.


Para tornar a propriedade mais agradável e funcional, os moradores pediram à filha que conduzisse uma reforma superficial e econômica.

 Como a casa vive sempre cheia, a quantidade de dormitórios e banheiros foi alterada, assim como o pé-direito, visando conforto térmico.

"Minha mãe é uma cozinheira de mão cheia, por isso exigiu que eu projetasse uma cozinha ampla e uma varanda bem espaçosa para reunir a família em volta da mesa", conta a arquiteta.


As estruturas de madeira e o telhado foram totalmente refeitos e ferragens novas, inspiradas nas fazendas antigas, foram instaladas.

A tinta natural à base de água, terra, base líquida e selador acrílico não contém pigmentos adicionais


 




A caiação dos caixilhos no tom azul-turquesa foi fixada com verniz fosco. O efeito envelhecido foi conquistado com uso de lixa



O ANTIGO VERMELHÃO
Típico das casas rurais, o chão "vermelhão", como é chamado popularmente, foi aplicado nas área interna e externa da casa, com exceção dos banheiros e da cozinha. O piso é de cimento queimado pigmentado na cor vermelho tradicional - versão mais comum e acessível. Para torná-lo mais atraente, a arquiteta espalhou recortes de azulejo hidráulico; embaixo da mesa de Angelin Pedra, em que a família se reúne para fazer as refeições, chegou a criar um tapete com o revestimento. O lustre foi herdado pelos moradores e acentua o estilo campestre.





Sala de recepção

Como a fazenda da família Duarte produz a cachaça orgânica - que utiliza apenas recursos naturais, desde a adubação da cana-de-açúcar até o processo de fermentação da bebida -, há um espaço especial dentro da casa para o armazenamento da aguardente e recepção dos clientes. 

As garrafas ficam protegidas em antigos tonéis de carvalho, usados para o envelhecimento da cachaça, que foram adaptados e transformados em móveis originais e exclusivos. Esse espaço, o mais concorrido da casa, também é dedicado à degustação de licores, geleias e doces produzidos na fazenda.




Os recortes de azulejos hidráulicos espalhados pela casa custaram R$ 3 cada peça



Os caixilhos foram pigmentados de azul também por dentro. O efeito que lembra madeira de demolição foi conseguido com lixa

Ampliações
O pé-direito agora tem 4,5 m, o que proporciona melhor circulação do ar, com isso, a sensação térmica dentro de casa é beneficiada. As estruturas de eucalipto do telhado e as telhas cerâmicas ficam aparentes, por opção da moradora.


A cozinha ampla foi uma exigência da mãe de Danielle, que aprecia a arte da culinária. A bancada que circunda todo o ambiente é de granito verde Ubatuba, o mesmo usado no banheiro, que juntos custaram R$ 900.

A cerâmica da cozinha custou R$ 14 o m² e foi customizada pela moradora, que é artista plástica.

Projeto: Danielle Duarte
Pintura com terra: Elton
Pintura em azulejo: Maria Lúcia Duarte


Fonte:   Construir Mais Por Menos

Seminário internacional discute Projeto Nova Luz


São Paulo, SP – O seminário internacional Políticas Culturais e Intervenções Urbanas, gratuito, acontece em São Paulo nesta terça-feira, abrindo oportunidade para que os paulistanos, em especial, os moradores e comerciantes nos bairros Luz e Santa Ifigênia, participem no aprofundamento das discussões sobre o Projeto Nova Luz, elaborado por encomenda da prefeitura de São Paulo e destinado a revitalizar a região conhecida como cracolândia, centro urbano da cidade.

Foco principal do seminário, promovido pelo Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), o Projeto Nova Luz será discutido em abordagem multidisciplinar. O gestor do CCBB São Paulo, Marcelo Mendonça, diz que a proposta do encontro é discutir as intervenções “em perspectiva”, e explica: “(Propomos) pensar nas dimensões - social, cultural, econômica - que envolvem o processo de intervenção urbana, a partir dos pontos de convergência e conflito”.

O evento inicia nesta terça-feira (24, maio), com o dia integralmente dedicado ao Projeto Nova Luz. Na quarta-feira, serão feitas avaliações de modelos alternativos, nacionais e internacionais, de processos de recuperação de áreas urbanas, bem como da atuação de órgãos preservacionistas. A intenção é colocar a experiência da metrópole paulistana em relação à experiência de outras cidades do Brasil e do mundo e, dessa forma, ampliar as referências locais que ditam caminhos e escolhas para São Paulo.

Na quinta-feira, acadêmicos, membros da sociedade civil e representantes de órgãos culturais e de movimentos sociais irão discutir os horizontes possíveis, a partir do questionamento dos impactos reais de políticas de intervenções urbanas na vida dos diversos segmentos sociais presentes no espaço.

“Discutir as cidades e o modo como são feitas as intervenções em seus espaços é refletir sobre a cidade que queremos construir para o século XXI. E isso é muito mais que um exercício profissional. É o exercício da cidadania", completa Herta Franco, curadora do Seminário Internacional Políticas Culturais e Intervenção Urbana.

Além de seis palestras e oito debates, haverá exibição de filmes que remetem ao tema. Entre os palestrantes e debatedores, participará o arquiteto e consultor Jorge Wilheim. Convidados: Olivier Mongin, Revista Esprit, França; e Josep Maria Montaner (Universitat Politécnica da Catalunya, Espanha).

Serviço: Seminário internacional Políticas Culturais e Intervenções Urbanas, gratuito, com certificado para quem somar, no mínimo, 70% de participação na grade de palestras e debates. Dias 24, 25 e 26 de maio (2011), das 10h30min às 20h30min. Auditório da Associação dos Advogados de São Paulo (AASP), Rua Álvares Penteado, 151, capital. Inscrições prévias pelo telefone 11 3113 3600.
 
 
 Fonte:  Imovelweb




7º Feirão da Caixa Econômica Federal

7º Feirão da Casa Própria, com mais de 450 mil imóveis

 

Por mais exigente que você seja, seu futuro imóvel pode estar no maior evento do mercado imobiliário promovido pela CAIXA. O Feirão da Casa própria, em sua 7ª edição, vai oferecer mais de 450 mil imóveis, entre opções de lançamento, novos e usados.

Começa agora, dia 13 de maio e vai até 12 de junho. Mas atenção! O evento funciona três dias em cada cidade. Consulte abaixo, o calendário com os locais e datas.


FEIRÃO DATA LOCAL
São Paulo, SP 13/05 a 15/05/2011 Centro de Exposições Imigrantes - Av. Imigrantes, Km 1,5
Uberlândia, MG 13/05 a 15/05/2011 UB-Center Convention - Avenida João Alves de Ávila nº 1331
Curitiba. PR 13/05 a 15/05/2011 Marumbi Expo Center - Avenida Presidente Wenceslau Braz nº 1046, Guaíra
Fortaleza, CE 13/05 a 15/05/2011 Centro de Convenções - Av Washington Soares, 1141- Água Fria/Ed Queiroz
Salvador, BA 13/05 a 15/05/2011 Centro de Convenções - Av. Simon Bolívar, s/n
Belo Horizonte, MG 20/05 a 22/05/2011 Pavilhão 2 do Expominas - Avenida Amazonas nº 4000
Brasília, DF 20/05 a 22/05/2011 Centro de Convenções Ulysses Guimarães - SDC Setor de Divulgação Cultural Eixo Monumental Lote 05
Campinas, SP 20/05 a 22/05/2011 Parque Dom Pedro Shopping - Avenida Guilherme Campos nº 500
Recife, PE 20/05 a 22/05/2011 Centro de Convenções - Rua do Apolo nº 143
Rio de Janeiro, RJ 20/05 a 22/05/2011 Rio Centro - Av. Salvador Allende nº 6555, Barra da Tijuca
Porto Alegre, RS 20/05 a 22/05/2011 FIERGS - Avenida Assis Brasi nº 8787
Belém, PA 03/06 a 05/06/2011 Hangar-Centro de Convenções - Av. Dr. Freitas s/n - Bairro do Marco
Florianópolis, SC 10/06 a 12/06/2011 Centro de Convenções - Av. Gustavo Richard, 850, Centro


E qual a vantagem de comprar sua casa no Feirão? No mesmo espaço você terá centenas de construtoras, imobiliárias, cartório e a CAIXA. Sairá dali com a escolha feita, depois de uma bela garimpada, e com o financiamento definido.

Acesse o site do Feirão CAIXA para conhecer a lista completa de documentos que você deverá levar.


Contratos de locação de imóveis crescem 5% em SP

Locação comercial se mantém estável e representa 28% dos negócios no trimestre

O número de contratos de locação na cidade de São Paulo cresceu 5% para aluguéis residenciais e 3,5% para comerciais, aponta levantamento de uma empresa do setor imobiliário divulgado nesta segunda-feira (2). Os dados comparam o primeiro trimestre deste ano com o mesmo período de 2010.
Os imóveis residenciais mais procurados têm um ou dois quartos e ficam próximos a estações de metrô. A diretora da Lello Imóveis, Roseli Hernandes, diz que a alta procura por esse tipo de apartamento tem feito os clientes buscarem alternativas.
- Muita gente tem optado por unidades de três dormitórios, em regiões um pouco mais distantes, em razão da dificuldade de se encontrar apartamentos de um e dois dormitórios.

Os contratos para aluguel residencial são maioria, mas as locações comerciais chegaram a 28% dos negócios realizados na cidade. Esse número se manteve praticamente estável em relação a 2010 (29%), segundo a Lello.
 
 
Fonte:   R7
 
 

Os aluguéis mais caros e os mais baratos, em SP


São Paulo, SP – Levantamento do Conselho Regional de Corretores de Imóveis em São Paulo (Crecisp), realizado em 492 imobiliárias paulistanas, mostra que na maioria (51,23%) dos 1.054 contratos de locação fechados durante o mês de fevereiro prevalece o aluguel mensal na faixa de até R$ 800. A preferência recaiu sobre apartamentos, que somaram 55,41% do total de contratos formalizados. As casas ficaram com os restantes 44,59%.

O aluguel que mais aumentou em fevereiro foi o de casas localizadas em bairros da Zona A (conforme critério Crecisp), como Jardim Paulista, Ibirapuera, Moema, Morro dos Ingleses e Perdizes. Esta zona ficou com 16,6% da procura por locação, de acordo com o Crecisp.

Nos bairros da Zona A, as casas com três dormitórios eram alugadas, em média, por R$ 2 mil, em janeiro. O valor médio da locação subiu para R$ 2.600 em fevereiro - alta de 30%.

A maior baixa, de 35,47%, ocorreu nos apartamentos com três dormitórios, situados em bairros da Zona D (conforme convenção Crecisp), que eram alugados, em média, por R$1.694,74 em janeiro, e em fevereiro por R$1.093,57. A Zona D foi alvo de 31,02% do interesse por locação, na cidade de São Paulo.

Como garantidor da locação, a figura do fiador continua liderando, presente em 45,54% dos novos contratos. A segunda posição é ocupada pelo seguro de fiança (28,94%). Em terceiro lugar está o depósito de valor equivalente a três meses do aluguel (24,86%); depois as locações sem garantias (0,28%); a caução de imóveis (0,19%); e por último a cessão fiduciária (0,19%).

As 492 imobiliárias que o Crecisp consultou em fevereiro declararam ter recebido de volta 491 imóveis, o equivalente a 46,58% do total de novas locações - percentual 21,66% inferior aos 56,67% apurados em janeiro. A maioria das devoluções se fez por motivos financeiros (52,14%), ficando os outros motivos com 47,86% do total.

O índice de inadimplência em fevereiro foi de 3,72%, inferior em 6,06% ao percentual de 3,96% apurado em janeiro. O número de ações propostas nos Fóruns da Capital em fevereiro subiu 63,48% em relação a janeiro. Todos os tipos de ações registraram alta: ações consignatórias (6,25%); renovatórias do valor do aluguel (17,24%); ações de rito sumário (66,84%); falta de pagamento (61,47%); ações de rito ordinário (54,7%).

Bairros da Zona A, de acordo com critério do Crecisp – Alto da Boa Vista, Alto de Pinheiros, Brooklin Velho, Campo Belo, Cidade Jardim, Higienópolis, Jardim América, Jardim Anália Franco, Jardim Europa, Jardim França, Jardim Paulista, ibirapuera, Moema, Morro dos Ingleses, Morumbi, Real Parque, Pacaembu, Perdizes, vila Nova Conceição.

Bairros da Zona D, de acordo com critério do Crecisp – Água Rasa, Americanópolis, Aricanduva, Belém, Bom Retiro, Butantã (periferia), Campo Grande, Campos Elíseos, Carandiru, Casa Verde, Centro, Cidade Ademar, Cupecê, Freguesia do Ó, Glicério, Imirim, Itaberaba, Jacanã, Jaguaré, Jardim Miriam, liberdade, Limão, Pari, Parque São Domingos, Penha, Pirituba, Rio Pequeno, Sacomã, Santa Efigência, Sapopemba, Socorro, Tremembé, Veleiros, Vila Alpina, Vila Carrão, Vila Formosa, Vila Guilherme, Vila Maria, Vila Matilde, Vila Medeiros, Vila Prudente.


Fonte:  R7


 

Aluguel com aniversário em maio subirá 10,6%


Os contratos de locação com reajuste anual atrelado ao IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) e aniversário em maio terão o menor reajuste deste ano, com variação percentual de 10,60%. Isso corresponde à variação do indicador da FGV (Fundação Getúlio Vargas) no período de maio de 2010 a abril deste ano.

“Cerca de 90% do mercado de locação adota o indicador por ele ser o único divulgado na mudança do mês, isto é, o IGP-M é o primeiro índice a ser divulgado em cada período”, explica Roberto Akazawa, gerente do Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação). Ele explica que a adoção não é exclusiva do mercado de locação, sendo utilizado em outros contratos com previsão de atualização.

Apesar de o IGP-M balizar boa parte dos contratos de locação, existe sempre a possibilidade de negociação entre locador e locatário. “Neste momento, entretanto, o reajuste pela variação do IGP-M tende a ser aplicado de forma integral, porque a opção de se trocar de moradia locada se torna difícil por falta de imóveis em oferta”, observa Akazawa. A mais recente Pesquisa Secovi-SP sobre Valores de Locação Residencial detectou que em março os novos contratos de locação estavam 15,25% mais caros que em idêntico período do ano passado.

Cálculo da correção

Para calcular o reajuste, basta multiplicar o valor do aluguel pago até abril por 1,1060. Assim, se o aluguel era de R$ 800,00, a partir de maio será de R$ 884,80.
 
 
Fonte:  R7