Páginas

Receba mais dicas valiosas para você e seu negócio

Aquecedor elétrico ou a óleo?

No Brasil, o clima varia muito. Se no Nordeste temos Sol o ano inteiro e no Centro-Oeste um clima mais seco, no Sul do país e nas regiões serranas, o frio às vezes pode castigar.

Mas nos últimos anos a instabilidade do clima levou esse frio para outras regiões em épocas diferentes. E é nessa época, quando as famílias se reúnem para curtir o aconchego do lar e trocar um bom bate-papo, que o conforto é fundamental. Então, a sugestão é um aquecedor de ambiente para deixar os dias frios de inverno mais agradáveis. Mas aí surge a dúvida: qual tipo escolher?

Aquecedor elétrico ou a óleo?

Os aquecedores podem ser elétricos ou a óleo, no modelo convencional ou torre. Os aquecedores tipo torre têm sido mais procurados por ocuparem menos espaço, inclusive na hora de serem guardados.

Aquecedores a óleo



Basicamente são compostos por uma carcaça metálica, e o óleo contido em seu interior é aquecido pelas resistências, funcionando através de um sistema duplo que envolve radiação e convecção, ou seja, realizam um ciclo onde o ar frio do ambiente é aquecido e sobe, forçando o ar também frio a descer e, novamente, ser reaquecido. Isso possibilita um aquecimento mais rápido e homogêneo. Além disso, os aparelhos são silenciosos e não provocam o ressecamento do ar.


É importante notar se o modelo escolhido tem termostato de segurança. Os aquecedores a óleo devem ser regulados de acordo com a dimensão do ambiente e da temperatura do ar. Este tipo de termostato mantém a temperatura constante no ambiente. Através deste dispositivo, o aparelho desliga automaticamente, após atingir a opção selecionada, voltando a ligar assim que a temperatura diminuir.

Aquecedores Elétricos


São menores e possuem um sistema duplo de fluxo de ar quente e frio. O aquecimento se dá através de uma resistência, com potências que variam entre 1.000 e 2.000 Watts. São mais leves que os demais e aquecem o ar rapidamente. Também é importante que o aparelho tenha um termostato de segurança, para evitar o sobreaquecimento.

Dicas de Segurança:

- Verifique se a rede elétrica interna possibilita a ligação de seu aparelho elétrico com a potência indicada. Em caso de superaquecimento da tomada, faça manutenção na rede elétrica de sua residência;
- Evite posicionar o aquecedor atrás de cortinas e em lugares molhados;
- Coloque o aquecedor próximo das paredes mais frias para uniformizar o aquecimento, mantendo o ambiente apenas com uma pequena entrada e saída de ar. Grandes correntes de ar resfriam o ambiente e obrigam o aparelho a funcionar muito mais, gastando energia desnecessariamente. Assim você  utiliza o aparelho de forma eficiente com o máximo de benefício e conforto;
- Evite a utilização do aquecedor ligado em benjamins ou 'T' junto com outros aparelhos elétricos;
- Nunca seque roupas ou calçados sobre o aquecedor. Isso é muito perigoso!
- Os aquecedores portáteis requerem mínima manutenção. Mas não se esqueça de deixá-los sempre limpos, mesmo quando não stiver usando;
- Quando forem guardados, proteja-os da poeira com um plástico. Isso evitará que quando forem ligados no próximo inverno, o ambiente fique com aquele odor da poeira que será queimada pela resistência incandescente.

Outros:

Aquecedor Elétrico DJ Tecno Cerâmico - Olímpia Splendid

O Aquecedor Eletrônico DJ Tecno Cerâmico é um termoventilador de nova geração. Com sua resistência em cerâmica, não queima o oxigênio, mantendo a umidade do ambiente e aquecendo rapidamente o local quando for necessário.
Possui um painel digital multifuncional com visor em LCD que atende às mais diversas necessidades. Com o modo econômico, ele detecta a temperatura ambiente e, caso não seja muito diferente da programada, ele funcionará no modo Low Power, gastando o mínimo de energia.

Ele é pequeno, fácil de carregar e ainda possui uma prática alça. Você pode levá-lo a qualquer ambiente da sua residência.

Aquecedor de rodapé - Baseboard Heat
Fire Pit - muito usada nos EUA
Fire Pit - É um pequeno "poço" onde se faz uma fogueira.

via



Parede revestida por madeira



Para ter uma parede charmosa e diferente sem gastar muito, a dica da arquiteta Silmara Salvetti é revesti-la com pecinhas de madeira. É um material fácil de achar nos home centers e que sai cerca de 32 reais cada peça de 30 x 30 cm. Você pode ocupar a área que quiser, revestindo a parede inteira ou apenas um trecho dela. Neste passo a passo proposto por Silmara, a área a ser coberta foi uma parede de quase 9 metros quadrados. Confira abaixo como fazer:

 
O primeiro passo é parafusar chapas de compensado na parede, que servirão como base para o revestimento. Onde houver interruptores e tomadas, deixe o vão aberto.

 Para evitar que o painel fique torto, uma dica é primeiro fazer a montagem no chão. Analise quais os recortes e ajustes necessários para preencher toda a superfície.

 Passe cole branca sobre o compensado e inicie a aplicação.

 O melhor é começar pela parte mais visível e ir ocupando as demais.

 Use a cola aos poucos, cobrindo um pouco da superfície por vez.

  Quando chegar perto do rodapé ou da parede lateral, o melhor é desmontar a plaquinha, pegar cada quadradinho de madeira, cortar na medida e colar. Assim você garante que o acabamento ficará perfeito.


 




 

Mais transparência: entra em vigor a oferta de Pacotes Padronizados nos bancos


Idec ressalta que a escolha do pacote deve ser feita pelo consumidor e nunca pelo funcionário da instituição financeira com base na renda ou aquisição de serviços



Durante as comemorações pelo dia do consumidor, em 15 de março de 2013, a presidente Dilma Roussef divulgou um pacote de medidas para promover maior transparência na relação de consumo entre as instituições financeiras e os consumidores. Em cumprimento à Resolução do Banco Central nº. 4.196 de 2013, o prazo para inicio da vigência estabelecido para que as instituições se ajustassem para a oferta destes novos pacotes entrou em vigor, hoje, dia 1º de julho de 2013.
 
Entre as medidas aprovadas ficou definido que as instituições financeiras passariam a oferecer pacotes de tarifas de forma padronizada, além dos serviços já oferecidos pelos bancos, para que o consumidor faça a  comparação dos serviços oferecidos entre as instituições. O Banco Central determinou que cada instituição deverá oferecer três pacotes padronizados com diferentes quantidades de serviços.
 
Outra novidade foi a inclusão da tarifa do serviço de transferência entre instituições (DOC e TED), serviço que não era oferecido pela maioria dos pacotes formatados pelos próprios bancos que induziam os consumidores a pagamento de tarifas avulsas sempre que precisassem utilizar o serviço.
 
 Abaixo a tabela 1 apresenta a composição de serviços oferecidos nos novos pacotes e a tabela 2 aponta os valores que serão cobrados.
 


2. Valor das tarifas vigentes a partir de 01 de julho de 2013
Serviços Prioritários Serviços Essenciais Padronizado 1 Padronizado 2 Padronizado 3 Padronizado 4
Banco do Brasil Gratuitos 9,90 12,00 16,00 24,00
Bradesco Gratuitos 9,80 14,20 19,90 30,50
Caixa Gratuitos 9,50 11,90 15,80 23,90
HSBC Gratuitos 9,50 11,90 15,80 23,90
Itaú Gratuitos 9,85 15,00 20,00 30,00
Santander Gratuitos 9,85 14,50 20,50 30,50
Fonte: Site dos Bancos
 
“A medida é muito oportuna, pois permite a comparação entre os preços praticados pelos bancos para a oferta do mesmo serviço, estimula a concorrência e possibilita que o consumidor avalie além do preço a qualidade do serviço oferecido”, opina a economista do Idec, Ione Amorim. 
 
A economista ainda orienta que, o consumidor  poderá  ter mais transparência de suas escolhas a partir da entrega de documento que informe detalhadamente o pacote contrato (nome e valor) e todos os serviços que ele contempla. A qualquer tempo (seja através da consulta em terminal eletrônico, internet ou telefone), o consumidor pode solicitar estas informações a seu banco. 
 
É muito importante que a escolha do pacote seja feita pelo consumidor e nunca pelo funcionário da instituição financeira, com base na renda ou aquisição de serviços. A mesma regra deve ser considerada quando se tratar de solicitação de troca de pacote de serviço, sem ameaça de exclusão ou redução de cheque especial ou cancelamento de cartão de crédito, ou qualquer outra forma de intimidação que ameace o consumidor de perder serviços já adquiridos e que não estão vinculados aos serviços.
 
Dicas ao consumidor
O consumidor deve ficar atento aos novos serviços, fazer uma comparação com o valor do pacote que paga atualmente e avaliar qual composição será mais vantajosa para suas finanças. Vale destacar que os bancos não eliminaram o pacote padronizado, existente anteriormente, configurado pela resolução nº 3518/2007, que curiosamente não possuía a inclusão das folhas de cheques,  um serviço gratuito no conjunto dos Serviços Essenciais (10 folhas). 
 
Outra recomendação é se atentar ao canal de entrega dos serviços para não pagar tarifas avulsas, por não fazerem parte dos serviços disponíveis nas configurações apresentadas. 
 
Alguns exemplos: 
  • Os extratos que estão previstos nos serviços essenciais e pacotes padronizados está restrito aos terminais eletrônicos, os extratos enviados em domicílio e de outros períodos são cobrados como serviços diferenciados e são muito mais caros;
  • As operações de transferências de DOC e TED, podem ser realizadas em terminais eletrônicos e internet, onde o valor médio é de R$ 7,40. Mesmo que o consumidor possua um dos pacotes com o serviço incluso, se utilizar o caixa da agência irá pagar a tarifa avulsa, que no caso desse serviço é quase o dobro do valor em torno de R$ 13,55. 
  • Para receber o talão de cheque em domicílio, apesar de o fornecimento do cheque estar previsto nos pacotes, se o consumidor optar por receber em casa, irá pagar pelo envio, por estar classificado como serviço diferenciado, o valor médio desse serviço está em torno de R$ 6,00.

via IDEC




Concreto é tendência e ganha imitações perfeitas

Valorizado pela arquitetura modernista, o material ressurge com força total e ganha imitações práticas e superfiéis.

Plasticidade única:

 
 Quem entra na sala deste apartamento nos Jardins, bairro paulistano, jura que uma das paredes é revestida de concreto. O material, porém, é o estuque veneziano, uma técnica artesanal dos tempos do Renascimento italiano. “Gosto desse efeito manchado”, diz o arquiteto Toninho Noronha, autor do projeto. “Além disso, o cinza é uma cor neutra. Ele combina bem com qualquer outro tom.”



Estruturas à vista: 

Em Higienópolis, o prédio deste apartamento de 170 m² foi um dos primeiros projetados pelo arquiteto Abrahão Sanovicz (1933-1999). “Como um bom modernista, ele tinha uma preocupação com a construção modular. Na obra, descobrimos 16 pilares de concreto e descascamos todos”, conta Gustavo Calazans, responsável pela reforma.


 Entre o estar e a sala de jantar, o elemento arquitetônico ganhou polimento. Onde encontrar: mesa de jantar de Luciana Martins e Gerson de Oliveira para a Ovo e cadeiras, de Arne Jacobsen (Tok Stok). O pendente RK04009 é da Reka, e o tapete, da Clatt. Sem juntas de dilatação, este piso de concreto não trinca como o cimento queimado. Aplicado sobre o contrapiso, recebe, depois de curado, uma massa de cimento polvilhada com pedrinhas de granilite. Uma lixadeira produz o acabamento polido.

 A textura de paredes Eco, da Terracor, leva 50% de materiais reciclados. Disponível em 16 cores, custa de 40 a 60 reais, o m².


Urbano chique - O arquiteto Guilherme Torres investe em bases neutras para brincar à vontade com cores e estampas. “Uso texturas cimentícias com frequência. É um material contemporâneo, de fácil aplicação e custo acessível. Eu me interesso também pela atmosfera industrial que elas recriam”, afrma. 

Neste apartamento, a aparência de concreto se restringe às paredes, mas, não raro, Guilherme a estende para piso e teto. Onde encontrar: do designer inglês Tom Dixon, a luminária e o banquinho vieram da loja Miniloft, assim como o sofá, o tapete e a cadeira da Diesel. A imagem é do fotógrafo Roberto Wagner. Cimento polimérico (Mr. Cryl) recobre esta parede, aplicado como uma massa-corrida. Após duas demãos, passam-se uma lixa fina e, por último, verniz para a proteção. “É rápido de fazer e não exige mão de obra especializada”, diz o arquiteto.


 Com apenas 1 cm de espessura, o piso cimentício Slim Classic, da Solarium, é antiderrapante. Por 156 reais, o m² (75 x 75 cm).


Elegância bem dosada - Os donos deste apartamento desejavam ter o concreto aparente entre os revestimentos escolhidos para o projeto de design de interiores, criado por Francisco Cálio. Não por acaso, na área de refeições, a mesa é de concreto e o piso, de porcelanato, imita o material. “Preferi usar as placas industrializadas, em vez de cimento queimado, porque a durabilidade delas é incrível”, diz. Para espantar a frieza, as cadeiras têm tons vivos.

 Onde encontrar: cadeiras Myto, do alemão Konstantin Grcic, e sofá da Miniloft, pufe da Futon Company e estante e bufê de A Caixa Marcenaria. A tela, apoiada no piso, é da Galeria Virgílio. Placas de porcelanato, de 60 x 60 cm, compõem o piso Urban Concreto (Portinari). Já a mesa foi feita com uma mistura de cimento queimado comum e branco para resultar em um tom mais claro, protegido com resina incolor (Acquella, da Ot to Baumgart). 



O piso de granilite, da Grani-torre, combina massa de mármore, calcário, quartzo e cimento. Por 86 reais, o m² aplicado.
Símbolo modernista - Quando foram chamados para reformular este apartamento, de arquitetura assinada pelo renomado Paulo Mendes da Rocha, Antonio Ferreira Junior e Mario Celso Bernardes decidiram incluir o concreto no projeto. “A infuência modernista aqui era muito forte”, diz Junior. 

Em vez de descascar a alvenaria, eles optaram por um método mais simples: uma massa que reproduz o efeito do material veste algumas paredes. Onde encontrar: cadeiras e mesa B, do alemão Konstantin Grcic, com tampo de alumínio, da Micasa. O lustre dos anos 1970 é da Filter, e a passadeira da região africana de Magrebe, da By Kamy.
 Da coleção Memória HD, da Portinari, este porcelanato, de tom off-white (60 cm x 1,20 m) custa 189,90 reais, o m², em média.


 As tintas de tom Cinza Alpino*, da Coral (1), e Concreto*, da Suvinil (2), reproduzem a cor do material. Na Tintas MC, por 55,80 e 51,30 reais, respectivamente (3,6 litros).


 via








Diferença entre a piscina de fibra e os outros modelos de piscinas


A diferença entre piscinas de fibra em relação as piscinas de vinil, alvenaria e concreto armado é que ela é autoportante, ou seja, não necessita de estrutura pois o casco da piscina manterá a forma uma vez que ela tenha sido instalada corretamente no solo e que se mantenha cheia de água. 

Eventualmente, caso o solo não tenha boa estabilidade, poderá ser feito um contra piso para apoio do fundo da piscina. Geralmente isso não é necessário, bastando uma camada de areia bastante compactada. Diferente dos outros modelos de piscina, você não tem liberdade de escolha nos modelos. Você devera escolher os modelos pré-fabricados. 

 É importante prestar muita atenção na qualidade da fibra, pois existem grandes diferenças entre fabricantes, principalmente em relação a qualidade dos materiais utilizados na fabricação do casco da piscina. E tem mais, a fibra com o tempo também perderá seu brilho, poderá manchar, criar bolhas e se a estrutura se movimentar, trincar. Inclusive, com o passar do tempo, poderá ser necessário esvaziar a piscina e realizar uma pintura para que sua piscina volte a ter um aspecto agradável. 

 A piscina de fibra, assim como o vinil e a alvenaria, não pode ser instalada em qualquer tipo de terreno porque necessita de um solo bastante estável e que proporcione bom apoio. Também não deve ser esvaziada sem o acompanhamento de um profissional especializado para evitar danos. 

Eventualmente, com a construção de uma estrutura que possua reforços, poderá ser construída em terrenos com lençol freático ou em aterros, porém, os custos podem ficar bastante elevados, valendo a pena avaliar a possibilidade de construir diretamente em concreto armado. Há ainda outro inconveniente: o transporte da piscina até o local de instalação. 

Esse tipo de produto precisa de transporte especial e eventualmente a piscina de fibra não poderá ser instalada em terrenos nos quais não seja possível entrar com ela, seja por existência de muros ou prédios visinhos ou pela impossibilidade ser transportada através da via pública.


Fonte: www.campestrepiscinas.com.br




Como um Corretor de Imóveis pode utilizar melhor seu iPad?


Os corretores de imóveis estão sempre em contato com os clientes e precisam mostrar tudo o que tem a oferecer para poder realizar uma boa venda ou contrato de aluguel, para vocês profissionais nesse ramo é muito importante o cuidado com a organização, documentação dos contatos realizados, pedidos, clientes e muito mais.

Se você possui um iPad e gostaria de incorporá-lo em seu ambiente de trabalho como corretor de imóveis, hoje é seu dia de sorte, você possui uma ferramenta e tanto em mãos, conheço um aplicativo estrela, mas também darei minha dica para que você possa utilizar melhor seu iPad no exercício de sua profissão.

Aplicativos para Corretores de Imóveis:

Agbox para Corretores e Agentes Imobiliários

Agbox para Corretores e Agentes Imobiliários (AppStore Link) Desenvolvedor: Api Comercio de Software Ltda
Classificação:4+ 4
Preço: USD 39.99

O Agbox é o todo-poderoso para os corretores de imóveis, com ele você poderá controlar sua lista de imóveis, mostrar seu portfólio aos clientes, anotar contatos, eventos e acompanhar as negociações de forma fácil e intuitiva. Também poderá analisar com meio de gráficos seus resultados e descubrir oportunidades de negócio. O Agbox é tudo o que um corretor precisa para vender e alugar imóveis.
 

Pages

Pages (AppStore Link) Desenvolvedor: Apple Inc.
Classificação:4+ 4
Preço: USD 9.99

O Pages é um dos melhores processadores de textos já vistos em um dispositivo móvel. Crie, edite e visualize documentos de texto onde quer que esteja. No Pages os corretores redigirão seus contratos e notas, além de ter compatibilidade com arquivos Microsoft Word, fazendo com que você possa abrir e editar seus arquivos anteriores ao tablet. Você também pode escolher exportar os documentos em .doc ou até mesmo .pdf.
 

Numbers

Numbers (AppStore Link) Desenvolvedor: Apple Inc.
Classificação:4+ 3.5
Preço: USD 9.99

O Numbers é um dos melhores processadores de planilhas já vistos em um dispositivo móvel. Crie, edite e visualize planilhas onde quer que esteja. No Numbers os corretores poderão controlar seus balances, fazer lançamento dos imóveis alugados e vendidos, além de ter compatibilidade com arquivos Microsoft Excel, fazendo com que você possa abrir e editar seus arquivos anteriores ao tablet. Você também pode escolher exportar os documentos em .xls ou até mesmo .pdf.
 

Skitch

Skitch (AppStore Link) Desenvolvedor: Evernote
Classificação:4+ 4.5
Preço: Grátis

Este excelente aplicativo gratuito lhe dará a possibilidade de realizar rascunhos sobre mapas, dessa forma será muito mais fácil explicar ao cliente onde fica determinada propriedade. Use formas, setas, esboços e anotações em texto para transmitir a sua opinião rapidamente. O Skitch é parte da família Evernote de apps projetados para ajudá-lo a lembrar-se de tudo.
 

Evernote

Evernote (AppStore Link) Desenvolvedor: Evernote
Classificação:4+ 4
Preço: Grátis

O Evernote é um aplicativo fácil de usar e gratuito que o ajuda a lembrar-se de tudo em seus dispositivos. Mantenha-se organizado, salve as suas ideias e melhore a produtividade. O Evernote permite que você tome notas, capture fotos, crie listas de pendências, grave lembretes de voz e torne essas notas completamente pesquisáveis, esteja você em casa, no trabalho ou em trânsito.
* Descrição da App Store


Calculator Free

Calculator Free (AppStore Link) Desenvolvedor: Valeriya Bozhkova
Classificação:4+ 4.5
Preço: Grátis

Suprindo a falta de uma calculadora nativa no iPad, como possuem os usuários do iPhone, o Calculator Free é gratuito e você poderá realizar cálculos básicos e avançados graças ao modo de calculadora científica. Calcule juro, parcelamentos, financiamentos, tudo diretamente em seu iPad.
 

Things for iPad

Things for iPad (AppStore Link) Desenvolvedor: Cultured Code GmbH & Co. KG
Classificação:4+ 3.5
Preço: USD 19.99

O Things é um dos melhores organizadores de tarefas para iPad, uma perfeita ferramenta para você corretor que gerencia muitos imóveis e possui muitos afazeres. Fácil de utilizar, permite criar seus projetos e as tarefas de cada um deles, marque as tarefas como pendentes ou realizadas, estipule horários e consiga ser muito mais produtivo em seu trabalho.
 

Bento 4 for iPad - Personal Database

Bento 4 for iPad - Personal Database (AppStore Link) Desenvolvedor: FileMaker, Inc.
Classificação:4+ 4.5
Preço: USD 9.99

O Bento é uma ferramenta muito poderosa para documentar e organizar coisas, para o corretor o Bento poderá ser utilizado para cadastro de imóveis, contatos de clientes e gerenciar listas de afazeres, tudo num ambiente fácil de usar e muito bem pensado para otimizar sua produtividade. Ele é completo e personalizável, tudo o que você precisa para adaptar à sua exigência.