Páginas

Receba mais dicas valiosas para você e seu negócio

Prazo para enviar o IR começa dia 6 de março

A Receita Federal do Brasil publicou nesta sexta-feira (21), no "Diário Oficial" da União, a instrução normativa que define as regras do Imposto de Renda pessoa física 2014 (relativo ao ano de 2013).


Neste ano, o prazo de envio da declaração começa no dia 6 de março e vai até 30 de abril. O contribuinte terá, assim, menos dias para prestar contas ao Fisco, uma vez que, nos anos anteriores, o prazo começava no dia 1º.

O download do programa de declaração do Imposto de Renda 2014 estará disponível a partir da próxima quarta-feira (26). Os aplicativos para declaração em tablets e smartphones serão liberados só no dia 6 de março, como começa a entrega do IR.

A norma da Receita determina quem é obrigado a declarar, quais os prazos e as multas. Entre os que devem declarar, estão os que tiveram rendimentos tributáveis acima de R$ 25.661,70 ou rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte acima de R$ 40.000,00.

Rendimento tributável, por exemplo, é o salário. Rendimento isento ou não tributável pode ser uma indenização trabalhista.

Também é obrigado a apresentar o IR quem investiu em ações ou tinha bens acima de R$ 300 mil em 2013.


A declaração deve ser entregue pela internet. Será possível fazer envio por computadores. tablets e smartphones. Não é mais permitido entregar em disquetes (apenas quem entregar depois do prazo poderá usar mídia removível, que terá de ser levada até uma unidade da Receita Federal).

No caso de preenchimento por computador, o programa estará no site da Receita Federal a partir da próxima quarta-feira (26).

No caso de tablets e smartphones, será necessário baixar o aplicativo m-IRPF, que estará disponível nas lojas de aplicativos Google Play, para o sistema operacional Android, ou App Store, para o sistema operacional iOS. O aplicativo estará disponível a partir do dia 6 de março nessas lojas.

Existem algumas restrições para o envio da declaração pelo m-IRPF. Essa opção não poderá ser feita, por exemplo, por quem teve rendimentos tributáveis no exterior ou superiores a R$ 10 milhões, entre outros casos.

Contribuintes que tiverem certificação digital poderão, neste ano, usar uma declaração pré-preenchida. Nesse caso, alguns dados serão colocados automaticamente na declaração pela Receita Federal.

Em todos os casos, a entrega pode ser feita até as 23h59min59seg de 30 de abril. A multa para quem entrega a declaração fora do prazo é de 1% ao mês. O valor mínimo é de R$ 165,74, e o máximo é de 20% do imposto devido.



Está obrigado a declarar em 2014 o contribuinte que, em 2013, preencheu alguma das seguintes situações:

1 - recebeu rendimentos tributáveis (salários, por exemplo) acima de R$ 25.661,70;

2 - recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte (indenizações, por exemplo), acima de R$ 40.000,00;

3 - obteve ganho de capital ao vender bens ou direitos ou investiu em Bolsas;

4 - em caso de atividade rural:
a) obteve receita bruta acima de R$ 128.308,50;

b) vá compensar, no ano-base de 2013 (a que se refere o IR 2014) ou depois, prejuízos de anos anteriores ou do ano-base de 2013;

5 - teve, em 31 de dezembro de 2013, a posse ou a propriedade de bens ou direitos de valor total superior a R$ 300 mil;

6 - passou a morar no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro de 2013;

7 - optou pela isenção do IR do ganho de capital na venda de imóveis residenciais, por ter aplicado o dinheiro na compra de outro imóvel residencial, em até 180 dias a partir venda do imóvel original.

Fica dispensado de fazer a declaração do Imposto de Renda o contribuinte que esteve numa das seguintes situações em 2013:

1 - enquadrar-se apenas na hipótese prevista no item 5 (possuir bens acima de R$ 300 mil) e que, se viver em sociedade conjugal ou união estável, tenha os bens comuns declarados pelo outro cônjuge ou companheiro, desde que o valor total dos seus bens privativos não passe de R$ 300 mil;

2 - que se enquadrar em uma ou mais das hipóteses dos itens 1 a 7, caso conste como dependente em declaração de outra pessoa física, na qual tenham sido informados seus rendimentos, bens e direitos.

Se quiser, a pessoa, mesmo desobrigada, pode apresentar a declaração.
Regras para escolha do modelo simplificado ou completo

O contribuinte pode escolher o modelo completo ou o simplificado. Na opção pelo simplificado, é aplicado o desconto padrão de 20% (independentemente de gastos com saúde e educação, por exemplo). O limite para esse desconto de 20% é de R$ 15.197,02.

Não pode escolher pelo modelo simplificado o contribuinte que compensar prejuízo da atividade rural ou imposto pago no exterior.
Pagamento do imposto pode ser feito em 8 parcelas

Se a pessoa tiver imposto a pagar, pode dividir em até oito meses, desde que a parcela não seja menor que R$ 50,00. Imposto de valor menor que R$ 100,00 deve ser pago à vista.

A primeira cota ou cota única deve ser paga até o prazo final da declaração (30 de abril). As demais cotas são pagas até o último dia útil de cada mês, acrescidas de juros conforme a Selic, até o mês anterior ao do pagamento, e de 1% no mês do pagamento.



VIAS PÚBLICAS SÃO RESTAURADAS



Um trecho da Estrada Municipal que liga o centro de Igaratá aos bairros Vale das Montanhas, Parque das Palmeiras e Jardim Panorama, foi recuperado esta semana pela Prefeitura Municipal.

Desde a última terça-feira até ontem, funcionários da Secretaria de Obras e Serviços executaram diversos reparos na via, incluindo troca de solo, rebaixamento dos morros,cascalhamento e melhorias na drenagem.

As obras executadas na estrada, que atende centenas de moradores e usuários que se deslocam diariamente entre o centro da cidade e estes bairros, segundo o Secretário de Obras, Emerson Oliveira, vão beneficiar muito os condutores, oferecendo mais segurança e comodidade aos cidadãos que utilizam o acesso alternativo feito pela administração municipal para os bairros que foram isolados do centro após a construção da praça de pedágio na Rodovia Dom Pedro I.

RUA AVELINO FARIA NETO

A Rua Avelino Faria Neto, situada na região central de Igaratá, e que dá acesso ao Cemitério Municipal, à indústria RDK e a diversas residências, foi restaurada ao longo da última semana pela Prefeitura.

Os trabalhos, executados pela Secretaria de Obras e Serviços, incluíram troca de solo, melhorias na drenagem e cascalhamento da via.



Oásis no quintal de casa

De estrutura simples, o lago artificial vai trazer tranquilidade e deixar o quintal muito mais refrescante.


O barulhinho da água e o saracotear dos animais aquáticos são, para a maioria das pessoas, um meio de encontrar a paz e a tranquilidade. Um lago artificial no próprio quintal é um mimo possível, já que sua estrutura não é complexa e, com certeza, pode dar aquele up no seu projeto de paisagismo. Por definição, um lago artificial é diferente de um espelho-d’água. O primeiro abriga vida aquática, como peixes, plantas e tartarugas, e, portanto, deve ter um sistema de filtração biológico e cuidados semelhantes aos de um aquário. Já o segundo se vale apenas do visual da água, que pode ser cuidada da mesma forma que tratamos a água de uma piscina. Para um projeto ideal, o terreno deve ser plano, distante de barrancos ou zonas baixas que possam ser alagadiças. É importante também evitar a construção sob árvores, pois folhas caídas podem apodrecer na água e, em excesso, alterar o pequeno ecossistema criado ali – ou as raízes podem afetar a estrutura do lago, geralmente feita de alvenaria.


QUADRADO DE MIRACEMA
Com 40 cm de profundidade, este lago, que saiu por cerca de R$ 6 mil, conta com saída de água e pontos elétricos para as bombas, filtros UV e iluminação subaquática (feita com projetores blindados e lâmpadas dicroicas 12 V). A estrutura é de alvenaria impermeabilizada com manta asfáltica, na qual foi aplicada também uma pintura impermeabilizante na cor cinza. “Com o tempo, o limo se impregna nas paredes e confere um visual mais natural”, conta Eduardo, que apostou no mesmo revestimento do quintal – pedra miracema – para o exterior e na pedra-madeira para fazer a decoração no interior do lago. As espécies de plantas utilizadas foram sombrinha chinesa (Papirus alternifolius), aguapés (Eichornia crassipes) e alface-d’água (Pistia stratiotes).




SOBRE O PISO
Com 3 x 1,3 m, este lago com cascata comporta 1.700 l de água. A construção foi feita sobre o piso existente, com alvenaria recoberta com pedras de morro (moledos), que dão o visual mais natural. “Tomamos o cuidado de garantir uma impermeabilização perfeita”, diz Ivani Kubo, a paisagista que assina o projeto. “O fundo é composto de massa de cimento. Quando a química sai, o lago forma um habitat propício para manter peixes ornamentais”, explica ela, que utilizou ainda uma bomba submersa para oxigenar a água, complementada por um filtro biológico com aparelhagem UV. “O sistema é necessário para que a água fique cristalina, pois, em contato com o sol, pode criar algas”, justifica. A profissional estima em R$ 16 mil os custos para a construção do lago, incluindo execução, materiais e o projeto de paisagismo em todo o entorno.



AO NATURAL
Para lagos inseridos diretamente no terreno, a compactação adequada da terra é fundamental e evita futuras trincas e vazamentos. Nesta casa de campo, a integração com a natureza do entorno era essencial, por isso foi escolhida uma forma orgânica para o lago, que ainda recebeu bordas de pedras brutas. Após a escavação, a estrutura foi executada com concreto armado, seguida de impermeabilização e revestimento com areia, pedras e pedriscos naturais. A oxigenação é feita com uma bomba, do mesmo tipo das utilizadas em grandes aquários, e pelas próprias plantas aquáticas incluídas pelo arquiteto André Rocha, autor do projeto. Segundo ele, a manutenção é bastante simples: deve-se manter a água sempre no mesmo nível e trocá-la caso fique turva.



Preços de imóveis começam o ano em desaceleração - até em SP

São Paulo registra menor alta de preço do metro quadrado anunciado desde que o Índice FipeZap começou; no Rio, porém, alta se mantém estável.

Viaduto do Chá: além de São Paulo, outras seis cidades tiveram altas inferiores à inflação projetada para janeiro

São Paulo – O preço médio do metro quadrado dos imóveis à venda no Brasil subiu 0,8% em janeiro, segundo o Índice Fipe Zap Ampliado. Em São Paulo, o aumento foi de apenas 0,7%, menor alta mensal de toda a série histórica, iniciada em 2008.

De acordo com o relatório do Índice, os preços dos imóveis anunciados começam o ano em desaceleração, com alta de 13,5% em 12 meses.

Em dezembro, a alta no preço médio dos imóveis foi de 1,0%, e o acumulado em 12 meses foi de 13,7%. Em janeiro de 2013, a alta mensal havia sido de 0,9%.

Ainda de acordo com o relatório, em seis cidades a alta de janeiro foi inferior à inflação pelo IPCA estimada para o mês, de 0,72%.

Além de São Paulo, Brasília, por exemplo, teve retração de preços (-0,3%). Já Curitiba, que ao longo do ano passado foi uma das cidades que puxou o Índice FipeZap para cima (tanto que acumula alta de 36,6% nos últimos 12 meses), teve valorização de apenas 0,3%.

Veja as variações dos preços na tabela a seguir. As cidades em negrito são aquelas que já compunham o Índice FipeZap Composto, existente desde 2010:

RegiãoVariação mensal janeiro/14Variação mensal dezembro/13Variação nos últimos 12 meses
Florianópolis1,60%1,90%18,50%
Vitória1,40%1,60%17,40%
Rio de Janeiro1,20%1,30%15,50%
Porto Alegre1,20%0,90%13,90%
Niterói1,10%1,40%10,60%
Recife1,00%1,00%14,70%
Curitiba0,30%0,90%36,60%
Vila Velha0,90%0,60%12,00%
Índice FipeZap Ampliado (16 cidades)0,80%1,00%13,50%
São Caetano do Sul0,80%0,90%11,70%
Santo André0,80%0,70%11,70%
IPCA0,72%*0,92%-
São Paulo0,70%1,10%13,70%
Índice FipeZap Composto (7 cidades)0,70%0,90%12,50%
São Bernardo do Campo0,70%0,60%10,30%
Salvador0,70%0,60%9,80%
IGP-M0,48%0,60%6,03%
Fortaleza0,40%0,80%10,80%
Belo Horizonte0,30%0,40%8,60%
Brasília-0,30%0,10%3,90%
(*) Projeção do Boletim Focus do Banco Central
Fontes: Índice FipeZap e Banco Central

A alta dos preços dos imóveis à venda no Rio de Janeiro continua forte: foi de 1,2% em janeiro e de 15,5% no acumulado dos últimos 12 meses. Nos 12 meses terminados em dezembro, a alta havia sido de 15,2%. A cidade continua tendo o metro quadrado anunciado mais caro do país.

Veja na tabela o preço médio do metro quadrado anunciado em cada cidade em janeiro de 2013:


RegiãoPreço médio do metro quadrado (R$)
Rio de Janeiro10.250
Brasília8.146
São Paulo7.839
Média Nacional7.318
Niterói7.172
Recife5.623
Belo Horizonte5.359
São Caetano do Sul5.293
Florianópolis5.178
Fortaleza5.135
Curitiba5.083
Porto Alegre4.886
Santo André4.586
Vitória4.558
São Bernardo do Campo4.342
Salvador4.261
Vila Velha3.830


O FipeZap tem dados disponíveis sobre São Paulo e Rio de Janeiro desde janeiro de 2008. Para Belo Horizonte, a série histórica começa em maio de 2009. Para Fortaleza, em abril de 2010; para Recife em julho de 2010; e para Distrito Federal e Salvador, em setembro de 2010.

Já entre as novas cidades, incluídas no Índice FipeZap Ampliado, as cidades do ABC Paulista e Niterói têm dados disponíveis desde janeiro de 2012. Vitória, Vila Velha, Florianópolis, Porto Alegre e Curitiba têm as séries históricas mais recentes, iniciadas em julho de 2012. O FipeZap Ampliado foi lançado em janeiro de 2013.

O indicador elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com o site Zap Imóveis, acompanha os preços do metro quadrado dos imóveis usados anunciados na internet, que totalizam mais de 290 mil unidades todos os meses.

Além disso, são buscados também dados em outras fontes de anúncios online. A Fipe faz a ponderação dos dados utilizando a renda dos domicílios, de acordo com levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Veja a seguir o relatório completo do Índice FipeZap de janeiro:


via EXAME.com




Como editar o vídeo Facebook Look Back e escolher as fotos da montagem

O Facebook liberou o botão de editar na vídeo retrospectiva Look Back para todos os usuários da rede social. Mesmo com o sucesso da iniciativa, criada para comemorar os dez anos o site, muitas pessoas não gostaram do resultado dos seus vídeos que, até então, eram criados automaticamente tendo como critério os compartilhamentos mais populares incluindo atualizações de status.

A partir de agora, utilizando o novo botão “Editar”, você poderá escolher quais fotos e atualizações quer utilizar para que seja composto o seu vídeo "Recorde Momentos". Veja como personalizar o Look Back.
LookbackFacebook libera edição do vídeo de comemoração de 10 anos da rede (Foto: Reprodução/Marvin Costa)
Passo 1. Vá até a página facebook.com/lookback e clique sobre a opção “Editar”. Ou, vá direto para o endereço facebook.com/lookback/edit. Em seguida, role a tela para visualizar as opções de edição na plataforma;

passo 1Clique no botão editar na parte superior do vídeo (Foto: Reprodução/Marvin Costa)
Passo 2. Em “Seus primeiros momentos”, basta selecionar ou desmarcar até três fotos. Note que você poderá encontrar outra página de fotos clicando sobre as setas indicadas em vermelho na imagem abaixo;

passo 2Mais fotos dos seus primeiros momentos estão disponíveis clicando nas setas (Foto: Reprodução/Marvin Costa)
Passo 3. Em “Suas publicações mais curtidas”, escolha até quatro atualizações de status. Como na categoria anterior, haverá outra página acessível;

passo 3Desmarque as fotos em azul e marque as que deseja incluir no vídeo (Foto: Reprodução/Marvin Costa)
Passo 4. Em “Grades de fotos”, determine até 39 fotos que farão parte do vídeo;

passo 4Você monta o fundo do seu vídeo escolhendo 39 fotos da galeria (Foto: Reprodução/Marvin Costa)
Lembre-se que para que seu vídeo fique pronto e disponível para compartilhamento, será necessário selecionar o número máximo de atualizações indicadas em todas as categorias de edição. Caso contrário a opção compartilhar ficará indisponível até que você termine a edição ou ainda não será possível obter o vídeo.

Compartilhe seu vídeo de comemoração de 10 anos do Facebook (Foto: Reprodução/Marvin Costa)Compartilhe seu vídeo de comemoração de 10 anos do Facebook (Foto: Reprodução/Marvin Costa)

Pronto! Agora você já sabe como personalizar o Look Back e poderá criar um vídeo mais coerente com os seus momentos registrados pelo Facebook.